Revista Espírita - Jornal de estudos psicológicos - 1866

Allan Kardec

Voltar ao Menu
(Fábula do Espírito batedor de Carcassone)


De um ramo de jasmins trabalhando os contornos,

Trêmula, uma lagarta ao declinar de seus dias,

Dizia: “Estou muito doente,

Já nem digiro a folha de salada;

Mal e mal a couve provoca-me apetite;

Eu morro pouco a pouco;

Como é triste morrer! Mais valia não nascer.

Sem murmurar é preciso submeter-se.

Outros, depois de mim, que tracem o seu caminho.

─ Mas tu não morrerás, lhe diz a borboleta;

Se tenho boa memória, foi sobre a mesma planta

Que contigo vivi; pois eu sou da família.

O futuro te prepara destino mais feliz;

Talvez um mesmo amor nos unirá os dois.

Espera!... Rápida é a passagem do sono.

Como eu, tu serás uma crisálida;

Como eu poderás, em cores brilhantes,

Respirar o perfume das flores”.

A velha respondeu: “Impostora! Impostora!

Nada viria mudar as leis da Natureza;

O espinheiro jamais será jasmim.

Aos meus anéis partidos, às minhas juntas fracas

Que hábil operário virá ligar as asas?

Jovem louca, segue o teu caminho.

─ Lagarta! Tens razão.

O possível tem limites!

Responde um caracol, triunfante em seus cornos.

Um sapo aplaudiu.

Com seu dardo, um zangãoInsultou a linda borboleta.



..................................................... ......................................................

Não, nem sempre é a verdade que brilha.

Aqui na Terra, quantos cegos de nascença

Negando a alma dos mortos.

Doutores, raciocinais

Mais ou menos como a lagarta.

TEXTOS RELACIONADOS

Mostrar itens relacionados
Aguarde, carregando...