Revista Espírita - Jornal de estudos psicológicos - 1864

Allan Kardec

Voltar ao Menu
Fredegunda

Damos a seguir as duas evocações do Espírito de Fredegunda, feitas na Sociedade, com um mês de intervalo, e que formam o complemento dos dois precedentes artigos sobre a possessão da senhorita Júlia.

O Espírito não se manifestou com sinais de violência, mas escrevia com grande dificuldade e fatigava extremamente o médium, que até ficou indisposto e cujas faculdades pareciam, de certo modo, paralisadas. Na previsão desse resultado, tínhamos tido o cuidado de não confiar essa evocação a um médium muito delicado.

Em outra circunstância, interrogado a respeito de Fredegunda, um outro Espírito disse que há muito tempo ela procurava reencarnar-se, mas que isso não lhe havia sido permitido, porque seu objetivo ainda não era melhorar-se, mas, ao contrário, ter mais facilidade para fazer o mal, auxiliado por um corpo material. Essa disposição deveria tornar sobremaneira difícil a sua conversão, no entanto não foi tão difícil quanto se esperava, graças, sem dúvida, ao concurso benevolente de todas as pessoas que participaram dos trabalhos, e talvez também porque já era chegado o momento em que esse Espírito deveria entrar na via do arrependimento.


(16 DE OUTUBRO DE 1863 ─ MÉDIUM: SR. LEYMARIE)


1. Evocação. ─ Não sou Fredegunda. Que quereis de mim?

2. ─ Então, quem sois? ─ Um Espírito que sofre.

3. ─ Desde que sofreis, deveis desejar não mais sofrer. Nós vos assistiremos, pois lamentamos todos os que sofrem neste mundo e no outro. Mas é necessário que nos acompanheis, e para isto é preciso que oreis. ─ Agradeço-vos, mas não posso orar.

4. ─ Nós vamos orar, e isto vos ajudará. Tende confiança na bondade de Deus, que perdoa sempre àquele que se arrepende. ─ Eu acredito. Orai, orai. Talvez eu possa converter-me.

5. ─ Mas não basta que oremos. É preciso que também oreis. ─ Eu quis orar e não pude. Agora vou tentar com o vosso auxílio.

6. ─ Dizei conosco: Meu Deus, perdoai-me, pois pequei. Arrependo-me do mal que fiz. ─ Di-lo-ei depois.

7. ─ Isto não basta. É preciso escrever. ─ Meu... (Aqui o Espírito não consegue escrever a palavra Deus. Só após muito encorajamento ele consegue terminar a frase, de maneira irregular e pouco legível.)

8. ─ Não se deve dizer isto pro forma. É preciso pensar e tomar a resolução de não mais fazer o mal e vereis que logo sereis aliviada. ─ Eu vou orar.

9. ─ Como orastes sinceramente, não experimentais melhora? ─ Oh! Sim!

10. ─ Agora dai-nos alguns detalhes sobre a vossa vida e as causas do vosso encarniçamento contra Júlia! ─ Mais tarde... direi... mas não posso hoje.

11. ─ Prometeis deixar Júlia sossegada? O mal que lhe fazeis cai sobre vós e aumenta o vosso sofrimento. ─ Sim, mas sou levada por outros Espíritos piores que eu.

12. ─ Esta é uma desculpa ruim, que dais para vos escusardes. Em todo caso, deveis ter uma vontade, e com os recursos da vontade sempre se pode resistir às más sugestões. ─ Se eu tivesse tido vontade não sofreria. Sou castigada porque não soube resistir.

13. ─ Entretanto, demonstrastes muita vontade para atormentar Júlia. Como acabais de tomar boas resoluções, nós aconselhamos a nelas persistirdes, e pediremos aos bons Espíritos que vos ajudem.

OBSERVAÇÃO: Durante esta evocação um outro médium recebeu de seu guia uma comunicação contendo, entre outras coisas, o seguinte: “Não vos inquieteis com as recusas que notais nas respostas desse Espírito. Sua ideia fixa de reencarnarse lhe faz repelir toda solidariedade com o passado, se bem que suporta bem pouco os efeitos disso. Ela é o Espírito que foi evocado, mas nem consigo mesmo quer concordar.”


(13 DE NOVEMBRO DE 1863)


14. ─ Evocação. ─ Estou pronta para responder.

15. ─ Persististes na boa resolução em que estáveis da última vez? ─ Sim.

16. ─ Como vos achais? ─ Muito bem, porque orei, estou bem calma e muito mais feliz.

17. ─ Com efeito, sabemos que Júlia não foi mais atormentada. Como podeis comunicar-vos mais facilmente, quereis dizer por que vos encarniçáveis contra ela? ─ Eu estava esquecida há séculos e desejava que a maldição que cobre o meu nome cessasse um pouco, a fim de que uma prece, uma única, me viesse consolar. Eu oro, eu creio em Deus; agora posso pronunciar o seu nome, e certamente isto é mais do que eu podia esperar do benefício que me concedeis.

OBSERVAÇÃO: No intervalo das duas comunicações, o Espírito era chamado todos os dias pelo nosso colega que ficou encarregado de instruí-la. Um fato positivo é que, a partir desse momento, a senhorita Júlia deixou de ser atormentada.

18. ─ É muito duvidoso que apenas o desejo de obter uma prece tenha sido o móvel que vos levava a atormentar aquela moça. Sem dúvida buscais ainda um paliativo para os vossos erros. Em todo caso, era uma forma ruim de atrair a compaixão dos homens. ─ Contudo, se eu não tivesse atormentado tanto a Júlia, não teríeis pensado em mim e eu não teria saído do miserável estado em que languescia. Disso resultou uma instrução para vós e um grande bem para mim, pois me abristes os olhos.

19. ─ (Ao guia do médium). Foi mesmo Fredegunda que deu esta resposta? ─ Sim, foi ela, um pouco auxiliada, é verdade, porque se humilhou. Mas este Espírito é muito mais adiantado em inteligência do que pensais; falta-lhe o progresso moral, no qual a ajudais a dar os primeiros passos. Ela não vos disse que Júlia tirará grande proveito do que se passou para o seu avanço pessoal.

20. ─ (A Fredegunda.) A senhorita Júlia vivia em vosso tempo? Poderíeis dizer quem era ela? ─ Sim. Era uma do meu séquito, chamada Hildegarde. Uma alma sofredora e resignada, que fez a minha vontade. Ela suportou o tormento de seus serviços muito humildes e muito complacentes a meu respeito.

21. ─ Desejais uma nova encarnação? ─ Sim, desejo. Ó meu Deus! Sofri mil torturas, e se mereci uma pena muito justa, ah! é tempo para que eu possa, com a ajuda de vossas preces, começar uma existência melhor, a fim de me lavar das antigas sujeiras. Deus é justo. Orai por mim. Até hoje eu tinha desconhecido toda a extensão de minha pena. Eu tinha o olhar velado e como que uma vertigem, mas agora vejo, compreendo, desejo o perdão do Senhor juntamente com o das minhas vítimas. Meu Deus! Como é suave o perdão!

22. ─ Dizei-nos algo de Brunehaut! ─ Brunehaut!... Este nome me dá vertigem... Ela é o grande erro de minha vida e senti o meu velho ódio despertar ao ouvir o seu nome!... Mas meu Deus me perdoará, e de agora em diante poderei escrever esse nome sem estremecer. Mais feliz do que eu, ela reencarnou pela segunda vez, desempenhando um papel que desejo: o de uma irmã de caridade.

23. ─ Ficamos felizes com a vossa mudança. Nós vos encorajaremos e sustentaremos com nossas preces. ─ Obrigada! Obrigada, bons Espíritos! Deus vos pagará.

OBSERVAÇÃO: Um fato característico dos maus Espíritos à a impossibilidade em que muitas vezes se acham de escrever ou pronunciar o nome de Deus. Isto denota, sem dúvida, uma natureza má, mas, ao mesmo tempo, um fundo de medo e de respeito, que não sentem os Espíritos hipócritas, em aparência menos maus. Longe de recuar ante o nome de Deus, estes últimos dele se servem afrontosamente, para captar a confiança. São infinitamente mais perversos e mais perigosos que os Espíritos francamente maus. É nesta classe que são encontrados a maioria dos Espíritos fascinadores, dos quais é muito mais difícil desembaçar-se do que dos outros, porque é do Espírito mesmo que eles se apossam com o auxilio de uma falsa mostra de saber, de virtude ou de religião, ao passo que os outros só se apossam do corpo. Um Espírito que como o de Fredegunda, recua ante o nome de Deus, está mais próximo de sua conversão que os que se cobrem com a máscara do bem. Dá-se o mesmo entre os homens, onde encontrais estas duas categorias de Espíritos, encarnados.

TEXTOS RELACIONADOS

Mostrar itens relacionados
Aguarde, carregando...