Revista Espírita - Jornal de estudos psicológicos - 1868

Allan Kardec

Voltar ao Menu
Temos o prazer de anunciar que uma sociedade acaba de ser oficialmente autorizada em Toulouse sob o nome de Círculo da Moral Espírita. Felicitamos os fundadores pela escolha do título, que mostra claramente o objetivo que se propuseram, ao mesmo tempo que resume perfeitamente o caráter essencial da Doutrina. Se é verdade que nobreza abriga, não o é menos dizer que título obriga, a menos que se minta à sua bandeira. Estamos convictos que os membros dessa reunião saberão justificá-lo. Pela própria severidade de seu regulamento, do qual tomamos conhecimento, eles provam sua firme intenção de agir como verdadeiros espíritas.

Houve outrora em Paris uma sociedade, por muito tempo bem florescente da moral cristã. Por que não haveria sociedades da moral espírita? Seria o melhor meio de impor silêncio aos trocistas e fazer calar as prevenções que alimentam contra o Espiritismo, aqueles que não o conhecem. A qualidade de membro de uma sociedade que se ocupa de moral teórica e prática é um título à estima e à confiança, mesmo para os incrédulos, porque é o equivalente ao de membro de uma sociedade de pessoas honestas, e todo espírita sincero deve ter a honra de fazer parte dela. Ousarão os gracejadores dizer que são sociedades de bobos, de loucos ou de imbecis?

A palavra círculo, adotada pela sociedade de Toulouse, indica que não se limita a sessões ordinárias, mas que é, além disso, um local de reuniões, onde os membros podem vir ocupar-se com o objetivo especial de seus estudos.

TEXTOS RELACIONADOS

Mostrar itens relacionados
Aguarde, carregando...