Revista Espírita - Jornal de estudos psicológicos - 1867

Allan Kardec

Voltar ao Menu
Aos Espíritos protetores


Mais alto, ainda mais alto!

Alça teu voo, alma minha,

Para esse puro ideal que Deus te revelou!

Para além dos céus e desses mundos em chama,

Para o absoluto divino eu me sinto chamado.

Adormecido subirei a escada de Jacob,

Subirei sempre e jamais descerei,

Porque benévolo e doce, com fraterna mão,

Em caminho um Espírito assegura-me os passos.

Mostra-me o fim, me ama e me consola;

Aqui está, eu o sinto e ouço a sua voz

Ressoar-me no peito, como um sopro de Éolo

Ressoa pelos montes, planícies e florestas!

Que importa seu nome! Ele não é da Terra;

Anjo misterioso dos amores celestes,

Ele tem do ignorado o encanto solitário;

Habita muito longe, inefáveis moradas!

Lá!... seu corpo, que um raio de glória transfigura

Tem sutilezas do impalpável éter;

Ignora os males da fraca natureza,

Contudo é bom, porque também sofreu.

Tu me falas no silêncio,

Vejo-te na obscuridade;

Fazes-me sentir de antemão

As glórias da Eternidade.

Se faço o mal me desculpas;

Nas vigílias e nos sonhos,

O que empreendo, completas;

Facho que luz na sombra,

Tu me susténs a coragem,

Impeles minha nave para a margem,

Na tempestade me proteges

E me aclaras dentro da noite.

Tu dizes: amor; tu dizes: prece;

Tu dizes: esperança; tu dizes: virtude,

E dás o nome de irmão

À humilde criança frágil e abatida;

Tão forte, buscas minha fraqueza,

Tão grande, vens à minha baixeza

E tão afortunado, à minha aflição.

Anjo abençoado, sagrado guardião,

Teu fluido depurado se mistura

Ao meu invólucro mortal,

E sinto o vento de tuas asas

Passar-me sobre o ébrio coração.

Quem quer que sejas, graças, alma querida.

Obrigado, irmão meu do Além;

Criança, velho ou moça,

Que importa! Não estás aqui?

Às vezes planas sobre a minha cabeça,

Tu que, na corrida inquieta

Atravessaste algum cometa,

Ou terra em formação;

Moras na atmosfera,

Marte ou Saturno, a enorme esfera;

Desces da Ursa Polar,

De Aldebaran ou de Órion?

E que me importa onde resides!

E que me importa de onde vens!

Que céus incríveis e esplêndidos

Quando te sinto, valem os meus?

Salve, pois, ó minha doce estrela;

Guia minha vela incerta

No mar que a bruma vela,

Longe dos escolhos, longe do perigo.

Sê um farol na tormenta,

Erguendo sobre a vaga espumante,

A luz amiga e tremulante,

E vem buscar-me, após o exílio.



Jules-Stany Doinel. (d’Aurillac).

TEXTOS RELACIONADOS

Mostrar itens relacionados
Aguarde, carregando...