Revista Espírita - Jornal de estudos psicológicos - 1861

Allan Kardec

Voltar ao Menu
Como se sabe, a imprensa não nos cumula de atenções, o que não impede o Espiritismo de avançar rapidamente, prova clara de que é bastante forte para marchar sozinho. Se a imprensa é muda ou hostil, não haverá razão para crer que todos os seus representantes sejam contra o Espiritismo. Muitos, ao contrário, sãolhe simpáticos, mas detidos por considerações pessoais, porque ninguém quer tomar a iniciativa. Neste tempo a opinião pública se pronuncia cada vez mais. A ideia se generaliza e, quando tiver invadido as massas, a imprensa progressista será forçada a segui-la, sob pena de ficar com os que não avançam nunca. Fá-lo-á sobretudo quando compreender que o Espiritismo é o mais poderoso elemento de propagação para todas as ideias grandiosas, generosas e humanitárias que ela não cessa de pregar. Sem dúvida suas palavras não ficam perdidas, mas quantos golpes não devem ser dados na rocha dos preconceitos antes de encetá-la! O Espiritismo lhes oferece um terreno fecundo e elimina as últimas barreiras que lhe detinham a marcha. Eis o que compreenderão os que se derem ao trabalho de estudá-lo a fundo, de medir-lhe o alcance e de ver as consequências que já se manifestam em resultados positivos. Mas para isto são necessários observadores sérios e não superficiais; esses homens que não escrevem por escrever, mas que fazem de seus princípios uma religião. Não duvidemos de que estes serão encontrados e, mais cedo do que se pensa, ver-se-á à cabeça da propagação das ideias espíritas alguns desses nomes que, por si sós, são autoridades e cuja memória o futuro guardará, como tendo concorrido para a verdadeira emancipação da Humanidade.

O artigo seguinte, publicado pelo jornal Akhbar, da Argélia, a 15 de outubro de 1861 é, neste sentido, um primeiro passo, que terá imitadores. Sob o modesto pseudônimo de Ariel, nossos leitores talvez reconheçam o talento de um dos nossos eminentes jornalistas.

“A imprensa europeia está muito ocupada com esta obra. Depois de a ter lido, compreende-se, seja qual for a opinião que se tenha da colaboração das inteligências extraterrenas que o autor diz ter obtido. Com efeito, suprimindo-se algumas páginas de introdução que expõem as vias e os meios de tal colaboração ─ a parte contestável, para os profanos ─ resta um livro de alta filosofia, de uma moral eminentemente pura e, sobretudo, de um efeito muito consolador para a alma humana, abalada aqui entre os sofrimentos do presente e o medo do futuro. Assim, muitos leitores devem ter exclamado, ao chegar à última página: Não sei se tudo isto é verdadeiro, mas gostaria muito que fosse!

“Quem não ouviu falar, há alguns anos, das estranhas comunicações de que certos seres privilegiados eram intérpretes entre o mundo material e o mundo invisível? Cada um tomou partido na questão e, como de hábito, a maioria dos que se colocaram sob a bandeira dos crentes, ou que se recolheram ao campo dos incrédulos, não se deram ao trabalho de verificar os fatos, cuja realidade uns admitiam e outros negavam.

“Mas estes não são assuntos que se discutam num jornal como o nosso. Assim, sem contestar nem atestar a autenticidade das assinaturas póstumas de Platão, Sócrates, Santo Agostinho, Júlio César, Carlos Magno, São Luís, Napoleão, etc., que se acham no fim de vários parágrafos do livro do Sr. Allan Kardec, constatamos que se esses grandes homens voltassem ao mundo para nos dar explicações sobre os problemas mais interessantes da Humanidade, não se exprimiriam com mais lucidez, com um senso moral mais profundo, mais delicado, com maior elevação de vistas e linguagem do que o fazem na singular obra da qual procuramos dar uma ideia. São coisas que não se leem sem emoção e não são daquelas que se esquecem imediatamente depois de tê-las lido. Neste sentido o Livro dos Espíritos não passará, como tantos outros, em meio à indiferença do século. Terá ardentes detratores, zombadores impiedosos, mas não nos admiraríamos, também e em compensação, se tiver partidários muito sinceros e muito entusiastas.

“Não podendo, em consciência ─ por falta de uma verificação prévia ─ colocar-nos entre uns e outros, ficamos no humilde ofício de repórter e dizemos: Lede esta obra, pois ela sai completamente das veredas batidas da banalidade contemporânea. Se não fordes seduzido, subjugado, talvez vos irriteis, mas, sem sombra de dúvida, não ficareis frio nem indiferente.

“Recomendamos, sobretudo, a passagem relativa à morte. Eis um tema sobre o qual ninguém gosta de fixar a atenção, mesmo aquele que se julga espírito forte e intrépido. Pois bem! Depois de ter lido e meditado, a gente se sente muito admirada por não mais achar essa crise suprema tão apavorante. Sobre esse assunto, chega-se ao ponto mais desejável, no qual nem se teme nem se deseja a morte. Outros problemas de não menor importância têm soluções igualmente imprevistas e consoladoras. Logo, o tempo que se consagrar à leitura desse livro será bem empregado na satisfação da curiosidade intelectual e não será perdido para o melhoramento moral.”

ARIEL

TEXTOS RELACIONADOS

Mostrar itens relacionados
Aguarde, carregando...