Revista Espírita - Jornal de estudos psicológicos - 1861

Allan Kardec

Voltar ao Menu
Nascido em Lião, morto a 21 de fevereiro de 1861, com 35 e 1/2 anos

O Dr. Glas era um espírita fervoroso. Sucumbiu a uma longa e dolorosa enfermidade, cujos sofrimentos só foram atenuados pela esperança que dá o Espiritismo. Sua vida laboriosa e acidentada por preocupações amargas e um acidente, inicialmente desconhecido, abreviaram-lhe a existência. Foi evocado a pedido de seu pai.

1. (Evocação). ─ Eis-me aqui.

2. ─ Teríamos prazer de nos comunicarmos convosco, inicialmente para condescender ao desejo do senhor vosso pai e de vossa esposa, e depois porque, à vista do estado dos vossos conhecimentos, esperamos deles tirar proveito para nós mesmos. ─ Desejo que esta comunicação seja uma consolação para os que me lamentam, e para vós, que me evocais, um assunto de estudos instrutivos.

3. ─ Parece que sucumbistes a uma doença cruel. Poderíeis dar-nos algumas explicações sobre a sua natureza e causa? ─ Minha doença ─ hoje vejo bem claramente ─ era toda moral e terminou por constranger dolorosamente meu corpo. Quanto a me alongar sobre os meus sofrimentos, ainda os tenho bem presentes para não esquecê-los. Um trabalho persistente, aliado a uma contínua agitação do cérebro, eis a verdadeira fonte do meu mal.

OBSERVAÇÃO: Esta resposta é confirmada pela seguinte passagem da carta de seu pai: “Sua vida laboriosa e acidentada por preocupações amargas e um acidente inicialmente desconhecido, abreviaram-lhe a existência.” Esta carta não tinha sido lida antes da evocação e nem o médium nem os assistentes conheciam o fato.

4. ─ Também parece que vossas crenças vos ajudaram a suportar o sofrimento com coragem, pelo que vos felicitamos. ─ Eu tinha em mim a consciência de uma vida melhor. Isto diz tudo.

5. ─ Essas crenças contribuíram para apressar o vosso desprendimento? Infinitamente, porque as ideias espiritualistas que se pode ter sobre a vida são, por assim dizer, as indulgências plenárias que afastam de vós, após a morte, toda influência terrena.

6. ─ Pedimos a fineza de nos descrever o mais exatamente possível a natureza da perturbação que experimentastes, sua duração e as sensações quando vos reconhecestes. ─ Eu tinha em mim, assim que morri, o perfeito conhecimento de mim mesmo e entrevia com calma aquilo que tantos outros temem com tanto pavor. Meu trespasse foi curto e a consciência de mim mesmo não mudou. Ignoro quanto tempo durou a perturbação, mas quando despertei, realmente estava morto.

7. ─ No momento em que vos reconhecestes, achaste-vos isolado? ─ Sim. Aliás, pelo coração eu estava ainda todo na Terra. Não vi imediatamente Espíritos em volta de mim, mas somente pouco a pouco.

8. ─ Que pensais dos vossos confrades que buscam, pela Ciência, provar aos homens que neles não há senão matéria e que somente o nada os aguarda? ─ Orgulho! Quando estiverem perto da morte, talvez os farão calar-se; é o que lhes almejo. Ah! Como dizia Lamennais há pouco, há duas Ciências, a do bem e a do mal. Eles têm a Ciência que vem dos homens, a do mal.

OBSERVAÇÃO: O Espírito faz alusão a uma comunicação que Lamennais acabara de dar momentos antes, prova de que não tinha esperado a evocação para vir à sessão.

9. ─ Estais frequentemente junto de vossa esposa, de vosso filho e de vosso pai? ─ Quase constantemente.

10. ─ O sentimento que experimentais vendo-os é diferente do que experimentáveis em vida quando estáveis junto deles? ─ A morte dá aos sentimentos, como às ideias, uma visão larga, mas cheia de esperanças que o homem não pode apreender na Terra. Eu os amo, mas os queria junto a mim. É sobretudo em vista das esperanças futuras que o Espírito deve ter coragem e sangue-frio.

11. ─ Estando aqui, podeis vê-los em casa sem esforço? ─ Oh! Perfeitamente.

OBSERVAÇÃO: Um Espírito inferior não o poderia. Apenas os que têm certa elevação podem ver simultaneamente pontos diferentes. Os outros estão ainda muito no terra-a-terra. Lendo esta resposta, sem dúvida certas pessoas dirão que era uma boa ocasião de controle; que se deveria ter perguntado ao Espírito o que faziam os seus parentes nesse momento e verificar se era exato. Com que objetivo tê-lo-íamos feito? Para nos assegurarmos de que era realmente um Espírito que nos falava? Mas se não fosse um Espírito, é que o médium nos enganava. Ora, há muitos anos esse médium dá o seu concurso à Sociedade e jamais tivemos ocasião de suspeitar de sua boa-fé. Se o tivéssemos feito, como prova de identidade, não nos teria valido grande coisa, porque um Espírito enganador teria podido sabê-lo, tanto quanto o Espírito verdadeiro. Assim, a questão teria entrado na categoria das perguntas de curiosidade e de prova, que os Espíritos sérios desprezam e às quais jamais respondem. Como fato, sabemos por experiência que isto é possível, mas sabemos também que quando um Espírito quer entrar em certos detalhes, faz isso espontaneamente, se o julgar útil, e não para satisfazer a um capricho.

12. ─ Fazeis distinção entre o vosso espírito e o vosso perispírito? Qual a diferença que estabeleceis entre as duas coisas? Penso, logo sinto e tenho uma alma, como disse um filósofo. Não sei mais que ele a respeito. Quanto ao perispírito, é uma forma, como sabeis, fluídica e natural; mas buscar a alma é querer buscar o absoluto espiritual.

13. ─ Credes que a faculdade de pensar reside no perispírito? Numa palavra, que a alma e o perispírito são uma só e mesma coisa? ─ É absolutamente como se perguntásseis se o pensamento reside no vosso corpo. Um se vê, o outro se sente e se concebe.

14. ─ Assim, não sois um ser vago e indefinido, mas um ser limitado e circunscrito? ─ Limitado, sim; mas rápido como o pensamento.

15. ─ Teríeis a bondade de precisar o lugar onde estais aqui? ─ À vossa esquerda e à direita do médium. NOTA: O Sr. Allan Kardec senta-se no lugar indicado pelo Espírito.

16. ─ Fostes obrigado a deixar o vosso lugar para mo ceder? ─ Absolutamente; nós passamos através de tudo, como tudo passa através de nós; é o corpo espiritual.

17. ─ Assim, estou mergulhado em vós? ─ Sim.

18. ─ Por que não vos sinto? ─ Porque os fluidos que compõem o perispírito são muito etéreos, não suficientemente materiais para vós. Mas pela prece, pela vontade, numa palavra, pela fé, os fluidos podem tornar-se mais ponderáveis e materiais, e mesmo afetar o tato, o que acontece nas manifestações físicas e é a conclusão deste mistério.

OBSERVAÇÃO: Suponhamos um raio luminoso penetrando num quarto escuro: pode-se atravessá-lo, nele mergulhar, sem lhe alterar a forma nem a natureza. Embora esse raio seja uma espécie de matéria, é tão sutil que não constitui obstáculo à passagem da matéria mais compacta. Dá-se o mesmo com uma coluna de fumaça ou de vapor que igualmente pode-se atravessar sem dificuldade. Apenas, como o vapor tem mais densidade, produzirá no corpo uma impressão que a luz não produz.

19. ─ Suponhamos que neste momento vos pudésseis tornar visível aos olhos da assembleia. Que efeito produziriam nossos dois corpos, assim, um dentro do outro? ─ O efeito que vós mesmos imaginais, naturalmente. Todo o vosso lado esquerdo seria menos visível que o lado direito; estaria num nevoeiro, no vapor do perispírito. O mesmo se daria no lado direito do médium.

20. ─ Suponhamos agora que vos pudésseis tornar não só visível, mas tangível, como acontece por vezes. Isto seria possível, conservando a situação em que estamos? ─ Forçosamente eu mudaria um pouco de lugar. Eu me construiria ao vosso lado.

21. ─ Há pouco, quando falei apenas da visibilidade, dissestes que estaríeis entre mim e o médium, o que indica teríeis mudado de lugar. Agora, para a tangibilidade, parece que vos afastaríeis ainda mais. Não seria possível tomardes as duas aparências conservando nossa primeira posição, eu ficando mergulhado em vós? ─ Não, absolutamente, pois respondo à pergunta. Eu me reconstruiria ao lado; não me posso solidificar naquela posição; não posso aí ficar a não ser que fique fluídico.

OBSERVAÇÃO: Desta explicação ressalta grave ensinamento. No estado normal, isto é, fluídico e invisível, o perispírito é perfeitamente penetrável à matéria sólida. No estado de visibilidade, já há um começo de condensação que o torna menos penetrável. No estado de tangibilidade, a condensação é completa e a penetrabilidade desaparece.

22. ─ Credes que um dia a Ciência chegue a submeter o perispírito à apreciação dos instrumentos, como o faz com os outros fluidos? ─ Perfeitamente. Não conheceis ainda senão a superfície da matéria; mas a finura, a essência da matéria só conhecereis pouco a pouco. A eletricidade e o magnetismo são caminhos certos.

23. ─ Com que outro fluido conhecido tem analogia o perispírito? ─ A luz, a eletricidade e o oxigênio.

24. ─ Há aqui uma pessoa que julga ter sido vosso camarada de colégio. Não a reconheceis? ─ Não a vejo. Não me lembro.

25. ─ É o Sr. Lucien B..., de Montbrison, que esteve convosco no colégio de Lyon. ─ Eu jamais pensaria em vos encontrar assim. Fiz sérios estudos na Terra, mas vos asseguro que meus estudos, como Espírito, são ainda mais sérios. Obrigado, mil vezes, por vossa boa lembrança.

TEXTOS RELACIONADOS

Mostrar itens relacionados
Aguarde, carregando...