Revista Espírita - Jornal de estudos psicológicos - 1861

Allan Kardec

Voltar ao Menu
Há no mundo três tipos que serão eternos. Esses três tipos, grandes homens pintaram-nos como eles eram em seu tempo, e adivinharam que existiriam sempre. Esses três tipos são, primeiro Hamlet, que diz em solilóquio: To be or not to be, that is the question; depois Tartufo, que resmunga preces enquanto medita o mal; por fim Don Juan, que a todos diz: Não creio em nada. Molière achou, sozinho, dois desses tipos. Estigmatizou Tartufo e fulminou Don Juan.

Sem a verdade, o homem fica na dúvida como Hamlet, sem consciência como Tartufo, sem coração como Don Juan. Hamlet está em dúvida, é bem certo, mas busca, é infeliz, a incredulidade o acabrunha, suas mais suaves ilusões diariamente se afastam, e esse ideal, essa verdade que ele persegue cai no abismo como Ofélia e fica perdida para sempre para ele. Então enlouquece e morre como um desesperado. Deus, porém, o perdoará, porque teve coração, amou e foi o mundo que lhe roubou aquilo que ele queria conservar.

Os outros dois tipos são atrozes, porque egoístas e hipócritas, cada um a seu modo. Tartufo afivela a máscara da virtude, o que o torna odioso. Don Juan em nada crê, nem mesmo em Deus. Só acredita em si mesmo. Jamais tivestes a impressão de ver, nesse famoso símbolo que é Don Juan e na estátua do Comendador, o ceticismo perante as mesas girantes; o corrompido Espírito humano na sua mais brutal manifestação? Até o presente, o mundo viu neles apenas uma figura inteiramente humana. Credes que não se deve neles ver e sentir algo mais? Como o gênio inimitável de Molière não teve, nessa obra, o sentimento do bom-senso acerca dos fatos espirituais, como o tinha sempre dos defeitos deste mundo!

GÉRARD DE NERVAL

TEXTOS RELACIONADOS

Mostrar itens relacionados
Aguarde, carregando...