Revista Espírita - Jornal de estudos psicológicos - 1860

Allan Kardec

Voltar ao Menu
Ouve-me, cara amiga, se queres que te diga boas e grandes coisas. Não vês a direção dada a certos acontecimentos, e a vantagem que daí se pode tirar para o progresso da obra santa? Escuta os Espíritos elevados, sobretudo guardando-te de não confundi-los com os que procuram impor-se com uma linguagem mais pretensiosa do que profunda. Não mistures os teus pensamentos com os deles. Seria admissível que os habitantes da Terra pudessem encarar as coisas do mesmo ponto de vista que os Espíritos desprendidos da matéria e obedientes às leis do Senhor? Não confundas num mesmo conjunto todos os Espíritos, pois eles são de ordens bem diferentes. O estudo do Espiritismo vo-lo ensina, mas, deste lado, quanto tendes ainda de aprender! Há sobre a Terra uma multidão de indivíduos cuja inteligência não se assemelha. Alguns dentre eles parecem aproximar-se mais dos animais que do homem, ao passo que há outros de tal modo superiores que se é tentado a dizer que se aproximam de Deus, espécie de blasfêmia que se deve traduzir pela ideia de que eles têm em si uma centelha dessas claridades celestes lançadas em seu coração pelo divino Mestre. Então! Seja qual for a diversidade das inteligências na raça humana, convence-te de que tal diversidade é infinitamente maior ainda entre os Espíritos. Existem Espíritos em tal grau de inferioridade, que não têm semelhantes entre os homens, ao passo que os há suficientemente purificados para se aproximarem de Deus e contemplá-lo em toda a sua glória. Submissos às menores ordens de Deus, só aspiram obedecer-lhe e agradá-lo. Chamados a circular em meio dos mundos, ou a fixar-se segundo o que convém à execução dos grandes desígnios do Senhor, a uns ele diz: Ide, revelai meu poder a esses seres grosseiros cuja inteligência já é tempo de se revelar. A outros: Percorrei esses mundos, a fim de que, guiados por vossos ensinamentos, os seres superiores que os habitam juntem novas grandezas a todas as que já lhes foram reveladas. Que todos sejam instruídos, pois dia virá em que as claridades do alto não serão mais obscurecidas, mas brilharão eternamente.

TEU AMIGO



Os dois ditados seguintes foram obtidos num pequeno círculo íntimo do bairro Luxemburgo, e nos são enviados por nosso colega Sr. Solichon, que os assistiu. Lamentamos que nossas ocupações ainda não tenham permitido ir a essas reuniões, para as quais tiveram a gentileza de nos convidar. Sentir-nos-emos felizes quando pudermos assisti-las, pois sabemos que um sentimento de verdadeira caridade cristã e de recíproca benevolência as preside.

TEXTOS RELACIONADOS

Mostrar itens relacionados
Aguarde, carregando...