Revista Espírita - Jornal de estudos psicológicos - 1859

Allan Kardec

Voltar ao Menu
Um dos nossos assinantes do departamento do Loiret, ótimo médium psicógrafo, escreve-nos o seguinte, relativamente a várias aparições que lhe ocorreram:

“Não querendo deixar no esquecimento nenhum dos fatos que vêm em abono da Doutrina Espírita, venho comunicar os novos fenômenos de que sou testemunha e médium, e que, como haveis de reconhecer, estão perfeitamente em concordância com tudo quanto haveis publicado em vossa Revista, relativamente aos vários estados do Espírito, depois que se separa do corpo.

“Há cerca de seis meses eu me ocupava de comunicações de Espíritos com algumas pessoas, quando me veio a ideia de perguntar se entre os assistentes se encontrava algum médium vidente. O Espírito respondeu afirmativamente, designou-me e acrescentou: ‘Tu já o és, mas em pequeno grau e apenas durante o sono. Mais tarde modificar-se-á o teu temperamento de tal maneira que te tornarás excelente médium vidente, mas pouco a pouco, e a princípio apenas durante o sono’.

“No decorrer deste ano passamos pela dor de perder três de nossos parentes.

Um deles, meu tio, apareceu-me em sonho, pouco depois de morto. Tivemos uma longa conversa e ele me conduziu ao lugar que habita e me disse que era o último grau da felicidade eterna. Era minha intenção dar-vos a descrição daquilo que admirei nessa morada incomparável. Tendo, porém, consultado o meu Espírito familiar a esse respeito, respondeu-me ele: ‘A alegria e a felicidade que experimentaste poderiam influenciar a descrição das maravilhosas belezas que admiraste e tua imaginação poderia criar coisas inexistentes. Espera até que teu Espírito esteja mais calmo’. Paro, então, em obediência ao meu guia, não me ocupando senão de duas outras visões mais positivas. Relatarei apenas as últimas palavras de meu tio. Quando eu tinha admirado aquilo que me era permitido ver, disse-me ele: ‘Agora vais voltar à Terra.’ Pedi-lhe que me deixasse ficar mais alguns instantes e ele retorquiu: ‘Não; são cinco horas e tu deves retomar o curso de tua existência’. No mesmo instante despertei. Meu relógio batia cinco horas.

“Minha segunda visão foi de um dos outros dois parentes falecidos durante o ano. Era um homem virtuoso, amável, bom pai de família, bom cristão que, embora doente há muito tempo, morreu quase subitamente e talvez quando menos se esperava. Seu rosto tinha uma expressão indefinível, séria, triste e ao mesmo tempo feliz. Ele me disse: ‘Expio as minhas faltas, mas tenho um consolo: o de ser protetor de minha família. Continuo a viver junto à minha mulher e meus filhos e lhes inspiro bons pensamentos. Orai por mim.’

“A terceira visão é mais característica e me foi confirmada por um fato material. É a do terceiro parente. Era um homem excelente, mas vivo, arrebatado, imperioso com os criados e, sobretudo, apegado além de qualquer medida aos bens do mundo. Além disso era cético e se ocupava mais desta vida do que da vida futura. Algum tempo depois de sua morte, veio à noite e pôs-se a sacudir as cortinas com impaciência, como se me quisesse despertar. Como lhe perguntasse: ─ És tu? respondeu-me:

─ Sim. Vim procurar-te porque és a única pessoa que me pode responder. Minha mulher e meu filho foram para Orléans. Quis acompanhá-los, mas ninguém quer obedecer-me. Disse a Pedro que fizesse a minha bagagem, mas ele não me escuta. Ninguém me dá atenção. Se tu pudesses vir atrelar os cavalos na outra carruagem e fazer as minhas malas, prestar-me-ias um grande obséquio, pois eu poderia ir juntar-me à minha mulher em Orléans.

─ Mas não podes fazê-lo tu mesmo?

─ Não. Não consigo levantar nada. Depois do sono que experimentei durante a doença, fiquei mudado. Não sei mais onde me encontro. Sinto-me num pesadelo.

─ De onde vens?

─ De B...

─ Do castelo?

─ Não! respondeu-me com um grito de horror, levando a mão à fronte. Venho do cemitério.
Depois de um gesto de desespero, acrescentou:

─ Olha, meu caro amigo, dize a todos os parentes que orem por mim, pois me sinto muito infeliz!

“A estas palavras fugiu. Perdi-o de vista.

“Quando me veio procurar e sacudir as cortinas com impaciência, seu rosto exprimia terrível alucinação. Quando lhe perguntei como tinha podido sacudir as cortinas, pois se ele me dizia nada poder levantar, respondeu bruscamente: ‘Com o meu sopro’.
“Soube no dia seguinte que, realmente, sua viúva e o filho tinham partido para Orléans”.

Esta última aparição é notável, sobretudo pela ilusão que têm certos Espíritos que se acreditam ainda vivos, e que neste se prolongou por muito mais tempo do que em casos análogos. Muito comumente essa ilusão dura apenas alguns dias, ao passo que ele ainda se julgava vivo depois de mais de três meses. Aliás, a situação é perfeitamente idêntica à que observamos muitas vezes. Ele vê tudo como quando vivo. Quer falar e se surpreende por não ser ouvido. Ocupa-se, ou julga ocupar-se com suas tarefas habituais. A existência do perispírito é aqui demonstrada de modo notável, abstração feita da visão. Uma vez que se julga vivo, ele se vê com um corpo semelhante ao que deixou. Esse corpo age como teria agido o outro. Para ele, nada mudou. Apenas não estudou ainda as propriedades de seu novo corpo. Julga-o denso e material como o primeiro, e espanta-se porque nada pode levantar. Não obstante, acha na sua situação algo de estranho, que não compreende. Ele supõe encontrar-se num pesadelo e toma a morte por um sono. É um estado misto entre a vida corpórea e a vida espírita, estado sempre penoso e cheio de ansiedade, que tem algo de ambas aquelas vidas. Como já dissemos, é o que ocorre de modo mais ou menos constante nas mortes instantâneas, tais como as que se dão por suicídio, apoplexia, suplício, combate, etc.

Sabemos que a separação entre o corpo e o perispírito se opera gradativamente, e não de modo brusco. Começa antes da morte, quando esta ocorre pela natural extinção das forças vitais, quer pela idade, quer pela doença e sobretudo nas pessoas que, ainda vivas, pressentem o seu fim e em pensamento se identificam com a existência futura, de tal sorte que, ao exalarem o último suspiro, a separação já está mais ou menos completa. Quando a morte surpreende de improviso um corpo cheio de vida, só nesse momento começa a separação, que não se completa senão paulatinamente. Enquanto existir uma ligação entre o corpo e o Espírito, este estará perturbado. Se entrar bruscamente no mundo dos Espíritos, experimentará um sobressalto, que não lhe permitirá, de início, reconhecer a sua situação, bem como as propriedades de seu novo corpo. É necessário movimentar-se de alguma maneira e é isso que o faz pensar que ainda está neste mundo.

Além das circunstâncias de morte violenta, outras há que tornam mais tenazes os laços entre o corpo e o Espírito, porque a ilusão de que falamos é igualmente observada em certos casos de morte natural. É quando o indivíduo viveu mais a vida material que a vida moral. Compreende-se que o seu apego à matéria o retenha ainda depois da morte, prolongando, assim, a ideia de que nada mudou para ele. Tal é o caso da pessoa de quem acabamos de falar.

Notemos a diferença existente entre a situação dessa criatura e a do segundo parente. Um ainda quer mandar; julga necessitar de suas malas, dos cavalos, da carruagem, para ir encontrar a esposa. Ele ainda não sabe que, como Espírito, pode fazê-lo instantaneamente, ou melhor, seu perispírito ainda é tão material que se julga submetido a todas as necessidades do corpo. O outro, que viveu a vida moral; que tinha sentimentos religiosos; que se havia identificado com a vida futura, embora surpreendido mais bruscamente que o primeiro, já está desprendido. Diz que vive no meio da família, mas sabe que é um Espírito. Fala à esposa e aos filhos, mas sabe que o faz por pensamento. Numa palavra, já não tem ilusões, ao passo que o primeiro ainda se acha perturbado e angustiado; tem um tal sentimento da vida real que viu a esposa e o filho que partiam, como de fato partiram no dia indicado, circunstância que era ignorada pelo parente a quem apareceu.

Notemos, além disso, uma expressão característica, que bem mostra a sua posição. À pergunta: “De onde vens?” respondeu indicando o lugar que habitava. A seguir, à pergunta: “Do castelo?” respondeu com pavor: “Não. Venho do cemitério”.

Ora, isto prova uma coisa: que não sendo completo o desprendimento, existia uma espécie de atração entre o Espírito e o corpo, que o levou a dizer que vinha do cemitério. Mas nesse momento parece que começou a compreender a verdade. A própria pergunta parece colocá-lo no caminho, chamando-lhe a atenção para seus despojos, por isso respondeu com pavor.

Os exemplos desta natureza são muito numerosos. Um dos mais expressivos é o do suicida da Samaritana, que relatamos no nosso número de junho de 1858.

Evocado alguns dias depois de sua morte, também afirmava estar vivo e dizia:

“Entretanto sinto que os vermes me roem”. Como fizemos notar no relato, não se tratava de uma lembrança, desde que em vida não era roído pelos vermes. Era então um sentimento atual, uma espécie de repercussão transmitida do corpo ao Espírito
pela comunicação fluídica ainda existente entre eles.

Essas comunicações nem sempre se traduzem da mesma maneira, entretanto, são sempre mais ou menos penosas e como um primeiro castigo para quem, quando vivo, muito se identificou com a matéria.

Que diferença da calma, da serenidade, da suave quietude dos que morrem sem remorsos, com a consciência de ter bem empregado seu tempo de estágio na Terra; dos que não se deixaram dominar por suas paixões! A passagem é curta e sem amargura, porque a morte é para eles o regresso do exílio para a verdadeira pátria. Há nisto uma teoria, um sistema? Não. É o quadro que nos oferecem todos os dias as nossas comunicações de além-túmulo, cujos aspectos variam ao infinito e nas quais cada um pode colher um ensinamento útil, porque encontra exemplos que poderá aproveitar, se quiser dar-se ao trabalho de consultá-las. É um espelho onde pode mirar-se quem quer que não esteja enceguecido pelo orgulho.

TEXTOS RELACIONADOS

Mostrar itens relacionados
Aguarde, carregando...