Revista Espírita - Jornal de estudos psicológicos - 1859

Allan Kardec

Voltar ao Menu
No número das questões importantes ligadas à Ciência Espírita, foi motivo de muitas controvérsias o papel dos médiuns. O Sr. Brasseur, diretor do Centro Industrial, expendeu a respeito ideias particulares, numa série de artigos muito bem redigidos, no Moniteur de la Toilette,* principalmente no mês de agosto último, do qual extraímos as passagens transcritas adiante. Ele nos honra com o pedido de nossa opinião. Nós lha daremos com toda a sinceridade, sem pretender que o nosso ponto de vista se converta em lei. Deixemos que os nossos leitores e observadores julguem a questão. Aliás, basta resumir o que a respeito dissemos em várias ocasiões, quando tratamos do assunto com muito mais desenvolvimento do que aqui podemos fazer, pois não é possível repetir o que se acha em nossos vários escritos. Eis aqui as principais passagens de um dos artigos do Sr. Brasseur, seguidas de nossas respostas:

“Que é um médium? O médium é ativo ou passivo?” Tais são as perguntas que visam elucidar um assunto que preocupa vivamente as pessoas desejosas de instruirse sobre as coisas do além-túmulo e, consequentemente, sobre as suas relações com este mundo.

“A 18 de maio último dirigi ao senhor presidente da Société Spirite uma nota intitulada: Do Médium e dos Espíritos. A 15 de julho o Sr. Allan Kardec publicou um novo livro sob o título: O que é o Espiritismo? Abrindo-o, supunha encontrar uma resposta categórica, mas em vão. O autor persiste em seus erros: Os médiuns, diz ele à pág. 75, são AS PESSOAS aptas a receber, de maneira patente, a impressão dos Espíritos e a servir de INTERMEDIÁRIOS entre o mundo visível e o mundo invisível.”

A obra citada não é um curso de Espiritismo. É uma exposição sumária dos princípios dessa Ciência, para uso das pessoas desejosas de adquirir as suas primeiras noções. O exame das questões de detalhe e das diversas opiniões não pode entrar num espaço tão restrito e que tem uma finalidade específica. Quanto à definição que damos dos médiuns, parece-nos perfeitamente clara, e é com essa definição que respondemos à pergunta do Sr. Brasseur: “O que é um médium?” É possível que ela não corresponda à sua opinião pessoal. Quanto a nós, entretanto, até agora não temos qualquer motivo para modificá-la.

“O Sr. Allan Kardec não reconhece o médium inerte. Fala muito de caixas, cartões ou pranchetas, mas não vê nessas coisas (pág. 62) senão apêndices da mão, cuja inutilidade teria sido reconhecida...”

“Compreendamos bem”.

“Na vossa opinião, o médium é um intermediário entre o mundo visível e o invisível. Mas é absolutamente necessário que esse intermediário seja uma pessoa? Não basta que o invisível tenha à sua disposição um instrumento qualquer para se manifestar?”
A isto responderemos simplesmente que não. Não basta que o invisível tenha à sua disposição um instrumento qualquer para se manifestar, pois lhe falta o concurso fluídico de uma pessoa, e essa pessoa é, para nós, o verdadeiro médium. Se ao Espírito bastasse dispor de um instrumento qualquer, veríamos cestas e pranchetas escrevendo sozinhas, o que jamais aconteceu. A escrita direta, aparentemente o fato mais independente de qualquer cooperação, só se produz sob a influência de médiuns dotados de uma aptidão especial. Uma consideração poderosa vem corroborar nossa opinião. Segundo o Sr. Brasseur, o instrumento é a coisa principal, e a pessoa é acessória. Em nossa opinião, é justamente o contrário. Se assim não fosse, por que as pranchetas não se moveriam com qualquer um? Se, pois, para fazêlas mover-se é necessário sermos dotados de uma aptidão especial, o papel da pessoa não é meramente passivo. É por isto que essa pessoa é para nós o verdadeiro médium. O instrumento não é, repetimos, mais do que um apêndice da mão, do qual nos podemos privar. Isto é tão verdadeiro que toda pessoa que escreve por meio da prancheta pode fazê-lo diretamente com a mão, sem prancheta, e mesmo sem lápis, de vez que pode traçar os caracteres com o dedo, ao passo que a prancheta não escreve sem uma pessoa. Aliás, todas as variedades de médiuns, bem como seu papel ativo ou passivo, estão amplamente desenvolvidos em nossa Instrução Prática Sobre as Manifestações.

“Separada da matéria pela dissolução do corpo, a alma não tem mais nenhum elemento físico da humanidade”.

E que fazeis do perispírito? O perispírito é o laço que une a alma ao corpo, o envoltório semimaterial que ela possui em vida e que conserva depois da morte. É através desse envoltório que ela se mostra nas aparições. Esse envoltório é também matéria, que embora eterizada, pode adquirir as propriedades da tangibilidade.

“Sustentando o lápis diretamente, observou-se que a pessoa mistura os seus sentimentos e as suas ideias com ideias e sentimentos do invisível, de modo que assim apenas são dadas comunicações mistas, ao passo que empregando as caixas, cartões e pranchetas, sob as mãos de duas pessoas em conjunto, essas pessoas absolutamente não intervêm na manifestação, que então é só do invisível. Por isso declaro este último meio superior e preferível ao da Sociedade Espírita”.

Esta opinião poderia ser verdadeira, se não fosse contraditada pelos milhares de fatos observados, quer na Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, quer alhures, os quais provam com incontestável evidência que os médiuns inspirados, mesmo intuitivos, e com mais forte razão os médiuns mecânicos, podem ser instrumentos absolutamente passivos e gozar da mais completa independência de pensamento. No médium mecânico, o Espírito age sobre a mão, que recebe um impulso inteiramente involuntário e desempenha o papel daquilo que o Sr. Brasseur chama de médium inerte, quer esteja ela só ou provida de um lápis, quer apoiada sobre um objeto móvel munido de lápis.

No médium intuitivo o Espírito age sobre o cérebro, transmitindo através do sistema nervoso o movimento ao braço, e assim por diante. O médium mecânico escreve sem ter a menor consciência daquilo que produz. O ato precede o pensamento. No médium intuitivo, o pensamento acompanha o ato e por vezes o precede. É, portanto, o pensamento do Espírito que atravessa o cérebro do médium, e se por vezes parece que se confundem, sua independência não é menos manifesta quando, por exemplo, o médium escreve, mesmo por intuição, coisas que não pode saber, ou inteiramente contrárias às suas ideias, à sua maneira de ver, às suas próprias convicções. Numa palavra, quando ele pensa branco e escreve preto. Além disto, há tantos fatos espontâneos e imprevistos, que não é possível a dúvida naqueles que os observaram.

O papel do médium é, nesse caso, o de um intérprete que recebe um pensamento estranho; transmite-o; deve compreendê-lo a fim de transmiti-lo, mas que não o assimila. É assim que as coisas se passam com os médiuns falantes, que recebem um impulso sobre os órgãos da palavra, como outros o recebem sobre o braço ou a mão, e também com os médiuns auditivos, que escutam claramente uma voz a lhes falar, ditando o que devem escrever. E o que direis dos médiuns videntes, aos quais os Espíritos se mostram sob a forma que tinham em vida, médiuns que os veem circular em volta de nós, indo e vindo como a multidão que temos aos nossos olhos? E dos médiuns impressionáveis que sentem os toques ocultos, a impressão dos dedos e até das unhas, as quais marcam a pele e deixam sinal? Isto pode acontecer com um ser que nada mais tem de matéria? E os médiuns de dupla vista que, perfeitamente despertos, em pleno dia, veem claramente aquilo que se passa à distância? Não é uma faculdade própria, um gênero de mediunidade? A mediunidade é a faculdade dos médiuns. Os médiuns são pessoas acessíveis à influência dos Espíritos, e que lhes podem servir de intermediários. Tal é a definição que se encontra no pequeno Dicionário dos dicionários franceses abreviado, de Napoléon Landais, e até agora parece que nos dá a ideia muito exatamente.

Não contestamos a utilidade dos instrumentos que o Sr. Brasseur designa com o nome de médiuns inertes, nome para cuja escolha tem perfeita liberdade, se julga conveniente fazer tal distinção. Incontestavelmente eles têm uma vantagem, como resultado da experiência, para as pessoas que nada viram ainda. Como, porém, a Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas se constitui de pessoas que não estão mais no início, cujas convicções já se formaram, e não faz nenhuma experiência visando satisfazer a curiosidade do público; que não faz convites para as suas sessões, a fim de não ser perturbada nas suas pesquisas e observações, estes meios primitivos nada de novo lhe ensinariam. Eis porque prefere outros mais expeditos, de vez que possui uma experiência bastante grande no assunto para saber distinguir perfeitamente a natureza das comunicações que recebe.

Não acompanharemos o Sr. Brasseur em todos os raciocínios sobre os quais apoia sua teoria, pois tememos enfraquecê-los, truncando-os. Na impossibilidade de reproduzi-los na íntegra, preferimos remeter os leitores que deles quiserem tomar conhecimento, ao jornal que ele redige com incontestável talento, no qual se encontram sobre o mesmo assunto artigos do Sr. Jules de Neuville, muito bem escritos, mas que aos nossos olhos têm apenas uma falha: não terem sido precedidos de um estudo suficientemente aprofundado da matéria, pelo que envolvem muitas questões supérfluas.

Em resumo, e nisso de comum acordo com a Sociedade Espírita, persistimos em considerar as pessoas como os verdadeiros médiuns, que podem ser passivos ou ativos, segundo a sua natureza e a sua aptidão. Chamemos os instrumentos, se assim o quiserem, de médiuns inertes. É uma distinção que talvez seja útil. Cometeríamos, entretanto, um erro se lhes atribuíssemos o papel e as propriedades dos seres animados, nas comunicações inteligentes. Dizemos inteligentes por ser necessário, além disso, fazer a distinção de certas manifestações espontâneas puramente físicas. É um assunto de que já tratamos amplamente na Revista.

_____________________________________________
* Journal des salons. – Modes. – Litératture. – Théâtres. Rue de l’Echiquier, 45.


TEXTOS RELACIONADOS

Mostrar itens relacionados
Aguarde, carregando...