Revista Espírita - Jornal de estudos psicológicos - 1859

Allan Kardec

Voltar ao Menu
Um oficial do exército da Itália

1. (Evocação).
─ Eis-me aqui. Falai.

2. ─ Prometestes voltar a ver-nos e aproveitamos a ocasião para vos pedir algumas explicações complementares.
─ Com prazer.

3. ─ Depois da vossa morte assististes a alguns combates?
─ Sim, ao último.

4. ─ Quando, como Espírito, sois testemunha de um combate e vedes os homens se estraçalharem, experimentais algum sentimento de horror, como nós experimentaríamos se assistíssemos a cenas semelhantes?
─ Sim, eu o experimentava, mesmo como homem, mas então o respeito humano recalcava esse sentimento como indigno de um soldado.

5. ─ Há Espíritos que sentem prazer vendo essas carnificinas?
─ Poucos.

6. ─ Ao verem isso, que sentimentos experimentam os Espíritos de uma ordem superior?
─ Grande compaixão; quase desprezo. Aquilo que vós mesmos experimentais ao verdes os animais se dilacerarem entre si.

7. ─ Assistindo a um combate e vendo homens morrerem, testemunhais a separação entre a alma e o corpo?
─ Sim.

8. ─ Nesse momento vedes dois indivíduos, o Espírito e o corpo?
─ Não. Que é então o corpo?
─ Mas nem por isso o corpo deixa de estar lá, e ele deve ser distinto do Espírito.
─ Um cadáver, sim, mas não é mais um ser.

9. ─ Qual a aparência que tem então o Espírito?
─ Leve.

10. ─ O Espírito afasta-se imediatamente do corpo? Peço-vos a fineza de descrever tão explicitamente quanto possível as coisas como se passam e como nós as veríamos, se fôssemos testemunhas.
─ Há poucas mortes realmente instantâneas. A maior parte do tempo o Espírito cujo corpo foi atingido por uma bala ou uma granada, diz a si mesmo: “Vou morrer, pensemos em Deus e no céu. Adeus, Terra que eu amava”. Depois desse primeiro
sentimento, a dor o arranca do corpo, e é então que podemos distinguir o Espírito que se move ao lado do cadáver. Isto parece tão natural que a vista do corpo morto não produz efeito desagradável. Tendo sido toda a vida transportada para o Espírito, só ele chama a atenção; é com ele que conversamos; a ele é que damos ordens.

OBSERVAÇÃO: Poderíamos comparar esse efeito ao que é produzido por um grupo de banhistas. O espectador não presta nenhuma atenção às roupas que deixaram à beira d’água.

11. ─ Geralmente, surpreendido por uma morte violenta, durante algum tempo o homem não se julga morto. Como se explica a sua situação, e como pode ele ter ilusões, desde que deve sentir muito bem que o seu corpo não é mais material e resistente?
─ Ele o sabe e não tem ilusão.

OBSERVAÇÃO: Isto não é perfeitamente exato. Sabemos que há Espíritos que em certos casos têm essa ilusão e julgam não estar mortos.

12. ─ No fim da batalha de Solferino desabou uma violenta tempestade. Foi por uma circunstância fortuita ou por um desígnio providencial?
─ Toda circunstância fortuita é resultado da vontade de Deus.

13. ─ Essa tempestade tinha um objetivo? Qual seria ele?
─ Sim, por certo: cessar o combate.

14. ─ Foi provocada no interesse de uma das partes beligerantes? Qual delas?
─ Sim, sobretudo para os nossos inimigos.
─ Por quê? Poderíeis explicar-vos mais claramente?
─ Perguntais-me por quê? Não sabeis que, sem essa tempestade, nossa artilharia não teria deixado escapar nenhum austríaco?

15. ─ Se essa tempestade foi provocada, deve ter tido agentes que a provocaram. Quais foram eles?
─ A eletricidade.

16. ─ Esse é o agente material, mas há Espíritos que têm por atribuição conduzir os elementos?
─ Não. Basta a vontade de Deus. Ele não necessita de auxiliares tão comuns. (Vide mais adiante o artigo sobre as tempestades).

TEXTOS RELACIONADOS

Mostrar itens relacionados
Aguarde, carregando...