Revista Espírita - Jornal de estudos psicológicos - 1859

Allan Kardec

Voltar ao Menu
Vimos, numa das respostas dadas no artigo anterior que, ao que parece, haveria mundos destinados aos Espíritos errantes. A ideia desses mundos não perpassava na mente de nenhum dos assistentes e ninguém nela teria pensado se não fora a espontânea revelação de Mozart, o que constitui uma nova prova de que as comunicações espíritas podem ser independentes de toda opinião preconcebida. Com o objetivo de aprofundar esta questão, nós a submetemos a um outro Espírito, fora da Sociedade e por intermédio de outro médium, que não tinha nenhum conhecimento do assunto.

1. (A Santo Agostinho) ─ Existem mundos que servem de estações aos Espíritos errantes, ou como pontos de repouso, conforme nos disseram?
─ Existem, mas apresentam diferentes graus, isto é, ocupam posição intermediária entre os outros mundos, conforme a natureza dos Espíritos que os procuram e que aí gozam de maior ou menor bem-estar.

2. ─ Os Espíritos que habitam esses mundos podem deixá-los à vontade?
─ Sim. Os Espíritos que os habitam podem afastar-se para ir aonde precisem. Imaginai-os como aves de arribação pousando sobre uma ilha a fim de refazerem as suas forças para prosseguirem em busca do seu destino.

3. ─ Os Espíritos progridem enquanto estacionam nesses mundos intermediários?
─ Certamente. Os que assim se reúnem fazem-no com o fito de instruir-se e poderem mais facilmente obter permissão para irem a melhores lugares e alcançar a posição dos eleitos.

4. ─ Esses mundos, por sua natureza especial, são perpetuamente reservados a Espíritos errantes?
─ Não. Sua situação é transitória.

5. ─ São habitados simultaneamente por seres corpóreos?
─ Não.

6. ─ Têm uma constituição semelhante à dos outros planetas?
─ Sim, mas a superfície é estéril.

7. ─ Por que essa esterilidade?
─ Aqueles que os habitam de nada precisam.

8. ─ Essa esterilidade é permanente e devida à sua natureza especial?
─ Não. Eles são transitoriamente estéreis.

9. ─ Então esses mundos são desprovidos de belezas naturais?
─ A Natureza se traduz pelas belezas da imensidade, não menos admiráveis que
as que chamais belezas naturais.

10. ─ Há desses mundos em nosso sistema planetário?
─ Não.

11. ─ Desde que se trata de um estado transitório, a Terra estará um dia nesse número?
─ Ela já esteve.

12. ─ Em que época?
─ Durante a sua formação.

NOTA: Mais uma vez esta comunicação confirma a grande verdade de que nada é inútil na Natureza. Todas as coisas têm um fim, um destino; nada é vazio, tudo é habitado; a vida está em toda parte. Assim, durante a longa série de séculos decorridos antes do aparecimento do homem na face da Terra; durante esses lentos períodos de transição, atestados pelas camadas geológicas; antes mesmo da formação dos primeiros seres orgânicos, sobre essa massa informe; nesse árido caos onde os elementos se confundiam, não havia ausência de vida. Seres que não tinham as nossas necessidades, nem as nossas sensações físicas aqui se refugiavam. Quis Deus que, mesmo nesse estado imperfeito, ela servisse para alguma coisa. Quem, pois, ousaria dizer que entre esses milhares de mundos que circulam na imensidade, um só e dos menores, perdido na multidão, teria o privilégio exclusivo de ser povoado? Qual seria, então, a utilidade dos outros? Deus tê-los-ia criado apenas para deleitar os nossos olhos? Suposição absurda, incompatível com a sabedoria que brilha em todas as suas obras. Ninguém contestará que há nesta ideia dos mundos ainda inadequados à vida material e no entanto povoados por seres vivos apropriados ao meio, algo de grandioso e de sublime, onde talvez se encontre a solução de muitos problemas.

TEXTOS RELACIONADOS

Mostrar itens relacionados
Aguarde, carregando...