Revista Espírita - Jornal de estudos psicológicos - 1859

Allan Kardec

Voltar ao Menu
Comunicação espontânea obtida pelo Sr. L., um dos médiuns da sociedade
Há uma doutrina que deveria converter os mais incrédulos, por seu encanto e por sua doçura: a dos anjos da guarda. Pensar que tendes sempre junto a vós seres que vos são superiores; que aí estão sempre para vos aconselhar, para vos sustentar, para vos ajudar a escalar a áspera montanha do bem; que são amigos mais certos e mais dedicados do que as mais íntimas ligações que possais estabelecer na Terra, não é uma ideia consoladora? Esses seres aí estão por ordem de Deus. Foi ele que os Sim, onde quer que estejais, estarão convosco. Os calabouços, os hospitais, os lugares de deboche, a solidão, nada vos separa desses amigos que não vedes, mas cujos suaves impulsos vossa alma sente, como lhes escuta os sábios conselhos.
Se conhecêsseis melhor esta verdade, quantas vezes ela vos ajudaria nos momentos de crise! Quantas vezes ela vos salvaria das mãos dos maus Espíritos!

Mas, aos olhos de todos, esse anjo do bem muitas vezes vos poderá dizer: “Eu não te disse? E tu não o fizeste. Não te mostrei o abismo? E nele te precipitaste. Não te fiz ouvir na consciência a voz da verdade? No entanto seguiste os conselhos da mentira.” Ah! interrogai os vossos anjos da guarda; estabelecei com eles essa terna intimidade que reina entre os melhores amigos. Nada penseis ocultar-lhes, pois eles têm o olhar de Deus e não podeis enganá-los. Pensai no futuro e procurai avançar nesta vida. Vossas provas serão assim mais curtas e vossas existências mais felizes.

Eia! Homens, coragem! Lançai para longe, de uma vez por todas, os preconceitos e os pensamentos ocultos. Entrai na nova via que se abre à vossa frente. Marchai, marchai, pois tendes guias a quem deveis seguir. A meta não vos pode frustrar porque essa meta é o próprio Deus.

Aos que pensassem ser impossível a Espíritos realmente elevados ater-se a uma tarefa tão laboriosa e de todos os instantes, diremos que influenciamos vossas almas mesmo estando a milhões de léguas de vós. Para nós, nada é o espaço, e mesmo vivendo num outro mundo, nossos Espíritos conservam suas ligações com o vosso.

Desfrutamos de qualidades que não podeis compreender, mas ficai certos de que Deus não nos impôs uma tarefa acima de nossas forças e de que não vos abandonou na Terra sem amigos e sem apoio. Cada anjo da guarda tem o seu protegido, sobre o qual vela como um pai sobre o filho. É feliz quando o vê seguir o bom caminho e sofre quando seus conselhos são desprezados.

Não temais fatigar-nos com as vossas perguntas. Ao contrário, ficai sempre em contato conosco, pois assim sereis mais fortes e mais felizes. São estas comunicações de cada um com seu Espírito familiar que fazem todos os homens médiuns ─ médiuns hoje ignorados, mas que se manifestarão mais tarde e que se espalharão como um oceano sem limites para afugentar a incredulidade e a ignorância. Homens instruídos, instruí; homens de talento, educai os vossos irmãos.

Não sabeis que obra assim realizais. É a obra do Cristo, que Deus vos impõe. Por que Deus vos deu a inteligência e a ciência, senão para as repartirdes com os vossos irmãos e adiantá-los no caminho da ventura e da felicidade eterna!?
São Luís e Santo Agostinho

OBSERVAÇÃO: A doutrina dos anjos da guarda, que velam sobre os seus protegidos, apesar da distância que separa os mundos, nada tem de surpreendente. É, ao contrário, grandiosa e sublime. Não vemos na Terra um pai velar por seu filho, mesmo a distância, ajudando-o com seus conselhos por correspondência? Que haveria, pois, de estranho em que os Espíritos pudessem guiar os que tomam sob sua proteção, de um outro mundo, de vez que para eles a distância que separa os mundos é menor que aquela que na Terra separa os continentes?

TEXTOS RELACIONADOS

Mostrar itens relacionados
Aguarde, carregando...