Instruções práticas sobre as manifestações espíritas

Allan Kardec

Voltar ao Menu
PARAÍSO – do gr. paradeisos, jardim, vergel. Os Antigos o colocavam numa parte dos Infernos, chamada Campos Elísios. (Vide Inferno); os povos modernos, nas elevadas regiões do espaço. Este vocábulo é sinônimo de céu, tomado na mesma acepção, com a diferença que céu se liga a uma ideia de beatitude infinita, ao passo que paraíso é mais circunscrito e lembra prazeres um pouco materiais. Diz-se ainda: subir ao céu, descer ao inferno. Tais opiniões baseiam-se na crença primitiva, fruto da ignorância, de que o universo era formado de esferas concêntricas, cujo centro era ocupado pela Terra. É nessas esferas, chamadas céus, que foram colocadas as moradas dos justos. Daí a expressão de quinto ou sexto céu, para designar os diversos graus de beatitude. Desde, porém, que a ciência lançou o seu olhar investigador sobre as profundezas etéreas, mostra-nos o espaço universal sem limites, semeado por um número infinito de globos, entre os quais circula o nosso, ao qual nenhum lugar distinto é assinado. E aí não existem altos nem baixos. Não vendo o sábio em parte alguma senão o espaço infinito e mundos inumeráveis onde lhe haviam indicado o céu; não encontrando nas entranhas da Terra, em lugar do Inferno, senão as camadas geológicas sobre as quais sua formação se acha escrita em caracteres irrefragáveis, começou a duvidar do Céu e do Inferno. Daí à dúvida absoluta vai apenas um passo.

A doutrina ensinada pelos Espíritos superiores está de acordo com a ciência. Nada contém que fira a razão e esteja em contradição com os conhecimentos exatos. Mostranos a morada dos Bons, não num lugar fechado, ou numa dessas hipotéticas esferas com que a ignorância havia cercado o nosso globo, mas por toda parte onde haja bons Espíritos, no espaço para os que se acham errantes, nos mundos mais perfeitos para os que estão encarnados. Aí é, o Paraíso Terrestre, aí estão os Campos Elísios, cuja ideia primeira vem do conhecimento intuitivo que tinha sido dado ao homem desse estado de coisas, e que a ignorância e os preconceitos reduziram a proporções mesquinhas. Ela nos mostra os maus recebendo o castigo de suas faltas em sua própria imperfeição, nos seus sofrimentos morais, na presença inevitável de suas vítimas, castigos mais terríveis que as torturas físicas incompatíveis com a doutrina da imortalidade da alma. Ela no-los mostra expiando os seus erros pelas tribulações de novas existências corpóreas, realizadas em mundos imperfeitos e não num lugar de eternos suplícios, de onde para sempre foi banida a esperança. Aí é o Inferno. Quantos homens nos disseram: "Se nos tivessem ensinado isto desde a infância, jamais teríamos duvidado!”

Ensina-nos a experiência que os Espíritos não suficientemente desmaterializados ainda se acham sob o império das ideias e preconceitos da existência corpórea. Aqueles que, em suas comunicações, empregam uma linguagem conforme às ideias cujo erro material está demonstrado, provam por isso mesmo sua ignorância e sua inferioridade.

TEXTOS RELACIONADOS

Mostrar itens relacionados
Aguarde, carregando...