Instruções práticas sobre as manifestações espíritas

Allan Kardec

Voltar ao Menu
FEITICEIRO[1] – Primitivamente o nome era aplicado aos indivíduos que supostamente lançavam a sorte e, por extensão, a todos aqueles aos quais eram atribuídos poderes sobrenaturais. Os fenômenos estranhos que se produzem sob a influência de certos médiuns provam que o poder atribuído aos feiticeiros repousa sobre uma realidade, da qual, entretanto, o charlatanismo abusou, como abusa de tudo. Se no nosso século esclarecido ainda há pessoas que atribuem tais fenômenos ao demônio com mais forte razão deveriam supô-lo ao tempo do obscurantismo. Disso resultou que os indivíduos que possuíam, mau grado seu, algumas das faculdades dos nossos médiuns, foram condenados à fogueira.



[1] A voz em francês é sorcier. Em português feiticeiro vem de feitiço (de fétiche). De notar-se, porém, que o Larousse, registrando a forma fétiche, diz, conforme nossa tradução literal: "do português feitiço, objeto fadado, malefício; do latim factitius, proveniente de uma fabricação, não natural". E mais adiante: "Na África, cerimônia religiosa para tornar favorável um empreendimento ou uma viagem: Fazer um grande FEITIÇO". - "Objeto ao qual as pessoas supersticiosas e, principalmente os jogadores, atribuem influência feliz". Estamos com o Larousse. N. do T.


TEXTOS RELACIONADOS

Mostrar itens relacionados
Aguarde, carregando...