O céu e o inferno ou a justiça divina segundo o Espiritismo

Allan Kardec

Voltar ao Menu
O mendigo
Num vilarejo da Baviera morreu, por volta do ano de 1850, um velho quase centenário, conhecido pelo nome de pai Max. Ninguém conhecia exatamente sua origem, pois ele não tinha família. Há cerca de meio século, achacado por enfermidades que não lhe permitiam ganhar a vida trabalhando, não tinha outros recursos senão a caridade pública que dissimulava indo vender nas quintas e nos castelos almanaques e pequenos objetos. Haviam-lhe dado o apelido de conde Max, e as crianças só o chamavam por Senhor conde, o que o fazia sorrir sem se ofender. Por que esse título? Ninguém poderia dizer; tornarase um hábito. Era talvez por causa de sua fisionomia e das suas maneiras cuja distinção contrastava com os andrajos. Vários anos depois da morte, ele apareceu em sonho à filha do proprietário de um dos castelos onde ele recebia hospitalidade na estrebaria, pois não tinha domicílio próprio. Ele disse-lhe:

“Agradeço-vos por vos terdes lembrado do pobre Max em vossas preces, pois elas foram ouvidas pelo Senhor. Desejais saber quem eu sou, alma caridosa que vos interessastes pelo desgraçado mendigo; vou satisfazer-vos; será para todos uma grande instrução.”

“Há cerca de um século e meio, eu era um rico e poderoso senhor desta região, mas vaidoso, orgulhoso e enfatuado com minha nobreza. Minha imensa fortuna jamais serviu senão para os meus prazeres, e ela mal bastava para isso, pois eu era jogador, devasso e passava a vida em orgias. Meus vassalos, que eu acreditava terem sido criados para meu uso como os animais das quintas, eram sobrecarregados de impostos e maltratados para proverem minhas prodigalidades. Eu permanecia surdo às queixas deles como às de todos os desgraçados, e, na minha opinião, eles deviam considerar-se muito honrados de servir meus caprichos. Morri numa idade pouco avançada, esgotado pelos excessos, mas sem ter experimentado nenhuma verdadeira desgraça; tudo parecia, ao contrário, me sorrir, de sorte que eu era aos olhos de todos um dos felizardos do mundo: minha posição valeu-me suntuosa cerimônia fúnebre, os estroinas lamentaram em mim o faustoso senhor, mas nenhuma lágrima foi derramada sobre o meu túmulo, nenhuma prece do coração foi dirigida a Deus por mim, e minha memória foi amaldiçoada por todos aqueles cuja miséria eu aumentara. Ah! Como é terrível a maldição daqueles cuja desgraça fizemos! Ela não cessou de retinir nos meus ouvidos durante longos anos que me pareceram uma eternidade! E com a morte de cada uma das minhas vítimas, era uma nova figura ameaçadora ou irônica que se erguia diante de mim e me perseguia sem trégua, sem que eu pudesse encontrar um canto escuro para me subtrair da sua vista! Nem um olhar amigo! Meus antigos companheiros de devassidão, desgraçados como eu, fugiam de mim e pareciam dizer-me com desdém: “Não podes mais pagar os nossos prazeres.” Oh! como eu teria então pago caro por um instante de repouso, um copo d’água para saciar a sede ardente que me devorava! Mas não possuía mais nada, e todo o ouro que eu semeei às mancheias na terra não produziu uma única bênção, nem uma única, ouvis, minha criança!

“Enfim, oprimido pelo cansaço, esgotado como um viajante estafado que não vê o fim de sua estrada, gritei: “Meu Deus, tende compaixão de mim! Quando acabará esta horrível situação?” Então uma voz, a primeira que ouvia desde que deixara a terra, disse-me: “Quando quiseres. – O que é preciso fazer, grande Deus? respondi; dizei: submeto-me a tudo. – É preciso arrependeres-te; humilhares-te diante daqueles que humilhaste; pedir-lhes para interceder por ti, pois a prece do ofendido que perdoa é sempre agradável ao Senhor.” Humilheime, pedi a meus vassalos, meus servidores, que estavam ali à minha frente, e
cujas figuras, cada vez mais benevolentes, acabaram por desaparecer. Então, foi como uma nova vida para mim; a esperança substituiu o desespero e agradeci a Deus com todas as forças da minha alma. A voz me disse em seguida: “Príncipe!” e eu respondi: “Não há aqui outro príncipe senão o Deus onipotente que humilha os soberbos. Perdoai-me, Senhor, pois pequei; fazei de mim o servidor dos meus servidores, se tal é a vossa vontade.”

“Alguns anos mais tarde, nasci de novo, mas desta vez de uma família de pobres aldeões. Meus pais morreram quando eu ainda era criança, e fiquei no mundo sozinho e sem apoio. Ganhei a vida como pude, ora como servente de pedreiro, ora como moço de quinta, mas sempre honestamente, pois desta vez acreditava em Deus. Na idade de quarenta anos, uma doença paralisou-me todos os membros, e precisei mendigar durante mais de cinquenta anos nessas mesmas terras das quais havia sido o senhor absoluto; receber um pedaço de pão nas propriedades que possuíra, e onde, por uma amarga irrisão, me apelidaram senhor conde, demasiado feliz por encontrar um abrigo na estrebaria do castelo que fora meu. No meu sono, divertia-me a percorrer esse mesmo castelo onde reinara como déspota; quantas vezes, nos meus sonhos, me revi ali no meio da minha antiga fortuna! Essas visões deixavam-me ao acordar um indefinível sentimento de amargor e de lamentos; mas jamais uma queixa escapou da minha boca; e quando Deus quis chamar-me a si, bendisse-o por me ter dado a coragem de suportar sem murmúrio esta longa e penosa provação cuja recompensa recebo hoje; e vós, minha filha, bendigo-vos por terdes orado por mim.”

Observação: Recomendamos este fato àqueles que pretendem que os homens não teriam mais freio se não tivessem diante deles o espectro das penas eternas, e perguntamos se a perspectiva de um castigo como o do pai Marx é menos feita para deter no caminho do mal do que a de torturas sem fim nas quais já não se crê.

TEXTOS RELACIONADOS

Mostrar itens relacionados
Aguarde, carregando...